Os empresários que se orientam por dados quantitativos e qualitativos anteveem se terão um 2016 feliz – corporativamente falando. Sabem em que terão de se empenhar para fortalecer aspectos conhecidos e quais esforços serão necessários para enfrentar e vencer incertezas e fatos imponderáveis do ano entrante. Mas seus prognósticos não se limitam apenas aos próximos doze meses. O conhecimento crítico dos cases de sucesso, o histórico das boas práticas, a memória das experiências bem sucedidas e o hábito de analisar sistematicamente as informações internas e as de fontes externas – garantem vislumbrar se a felicidade corporativa estará presente nos corações e nos bolsos dos stakeholders dos empreendimentos de 2017, 2018, 2019 e – por que não? –2020.

Felicidade corporativa prevista com antecipação. É possível, sim.